Os antibióticos causam cáries em crianças?

By Admin, 20/04/2018

Muitas pessoas acreditam que, na medida que os antibióticos cumprem sua função de destruir os microrganismos nocivos ao corpo humano, eles também podem destruir a camada de proteção dos dentes, gerando cáries e outros problemas bucais em crianças e bebês.

Mas será que isso é verdade ou mito? É o que vamos entender neste post.

Os antibióticos causam cáries em crianças?
A resposta para essa pergunta é simples: não, os antibióticos não causam cáries nos dentes, nem mesmo em crianças. Na verdade, os antibióticos funcionam como agentes protetores do organismo, atacando os microrganismos patogênicos e restaurando a saúde de uma pessoa.

Apesar disso, o antibiótico tem açúcar, e funciona como alimento quando ingerido, ou seja, todas as vezes em que o antibiótico é administrado para a criança, deve ser feita a escovação depois. Por ter açúcar e ser tomado muitas vezes durante a madrugada ou em momento em que a criança não escova os dentes, esse açúcar pode causar a cárie se não tiver higiene adequada.

Resumindo: o antibiótico não causa cárie, mas qualquer alimento ou medicamento rico em açúcar consumido por um período prolongado, junto com uma deficiência na escovação, podem levar ao seu aparecimento.

Tetraciclina: o grande vilão
Em um passado recente, muitos médicos e dentistas indicavam a utilização do antibiótico Tetraciclina entre crianças e bebês. Esse composto, de fato, pode prejudicar a camada externa do dente (o esmalte), eliminando o cálcio e provocando o seu escurecimento, principalmente em pacientes bebês e crianças de até 12 anos de idade. As manchas escuras no dente após o consumo de Tetraciclina eram confundidas entre a população com o aparecimento de cáries – daí se criou a relação de que antibióticos causam cáries em crianças.

Vale ressaltar, porém, que as manchas não são necessariamente cáries, embora representem um problema bucal. Ainda, esse efeito colateral da Tetraciclina é mais observado em dentes e ossos em processo de formação dental – dentes totalmente formados podem não sofrer complicações ou consequências.

O nível de mudança na cor do dente vai depender do tempo do tratamento e da forma de ingestão do remédio (xaropes, cápsulas, etc). A idade de paciente também pode influenciar nos efeitos da Tetraciclina. Note que mesmo antes de nascer, os efeitos do remédio podem ser percebidos já que a substância consegue atravessar a barreira placentária (no caso da ingestão por grávidas a partir da 20ª semana de gestação) e pode afetar dentes decíduos e permanentes.

Independentemente do remédio, fique atento à higienização
Alguns pontos sobre os medicamentos destinados às crianças merecem reflexão:

● Geralmente, os antibióticos, antiinflamatórios e outros compostos prescritos para bebês e crianças costumam ser feitos com base em soluções adocicadas, para que sejam aceitas de maneira mais fácil pelo paladar infantil. E como sabemos, o açúcar não é bem o melhor amigo de uma boca saudável.
● A alta acidez também é comum em remédios destinados aos pacientes infantis, o que favorece a perda da porção mineral da estrutura dentária. O pH muito ácido é sempre desgastante para o dente.
● Por fim, quando as crianças estão doentes, elas costumam ficar mais manhosas, e os pais acabam ficando com pena, e cobram com menor rigor a higiene bucal de seus filhos.

Esses três fatores combinados podem resultar em problemas para a saúde bucal de uma criança. Imagine: a criança recebe a prescrição de tomar um medicamento adocicado e ácido, num período curto de intervalo (como oito em oito horas, inclusive de madrugada) e tem a higienização da boca negligenciada. Em um caso assim, é bem maior risco desse paciente desenvolver problemas dentários.

Por isso, é importante que os pais estejam atentos às condições da boca da criança, independentemente do tipo de medicamento que está sendo administrado. Até porque, todos os danos derivados da ingestão de medicamentos ácidos ou açucarados podem ser evitados com alguns hábitos simples e essenciais: escovação dos dentes adequada, uso de fio dental e visitas regulares ao dentista.

Antes de administrar qualquer remédio, consulte orientação médica Se a criança sofre por algum problema no organismo, são os remédios e antibióticos que auxiliarão no tratamento e cura da condição. É importante reconhecer a relevância dos remédios, mas não se podem negar que em alguns casos, os efeitos colaterais bucais são inevitáveis.

Por isso, a melhor forma de auxiliar o seu filho sem comprometer a saúde dele é apenas seguir as indicações de profissionais. Toda e qualquer medicação só deve ser ingerida depois da prescrição por profissionais especializados. Evite a automedicação, porque só o seu médico ou odontopediatra conhece a composição, as interações medicamentosas e formas de atuação dos compostos no organismo.

Assim, o profissional saberá indicar qual é o melhor remédio para cada situação, minimizando ou até prevenindo os efeitos colaterais.

O que você achou?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *